[gtranslate]

Mercado

Um embarque que salvou vidas

Como a logística de alta performance pode fazer a diferença na luta contra o Coronavírus.

O ano de 2020 está sendo um grande desafio para muitas empresas, e para a Interoceanica não tem sido diferente. A pandemia do novo Coronavírus chegou sem avisar e em pouco tempo testou a capacidade de adaptação e resiliência de colaboradores, fornecedores e parceiros comerciais. Por aqui, não medimos esforços para manter a logística de nossos clientes a pleno vapor, e além de não pararmos, colocamos nossa expertise logística a favor do combate ao Covid-19.

No mês de maio, em parceria com a Intrading Global, a Interoceanica viabilizou dois embarques aéreos de respiradores hospitalares para o governo do estado do Maranhão. Na ocasião, fomos responsáveis pelo transporte dos volumes no trecho entre Guarulhos (SP) e São Luís (MA). Foram 148 respiradores transportados, sendo 80 importados da China e 68 fabricados nacionalmente em Cotia-SP.

Esses embarques foram uma grande conquista para a equipe Interoceanica, e nos geraram um sentimento de orgulho muito grande, porém havia mais por vir. No mês seguinte, em mais uma parceria com a Intrading Global, viabilizamos novamente o transporte aéreo de um novo lote de respiradores com destino ao Maranhão. No total, foram entregues 153 aparelhos destinados a tratar os pacientes infectados pelo Coronavírus.

O nosso mercado nos permite entrar em contato com diversas situações que nos trazem grandes realizações profissionais. Uma carga transportada nunca é "apenas" uma carga, por trás dela há sempre uma história pela qual vale a pena enfrentar cada desafio e fazê-la chegar ao destino da melhor forma possível. Dessa vez foram vidas a salvar, existe motivação maior que essa?











Modal Ferroviário

Uma ótima solução para a logística em países de grande extensão territorial.

No Brasil, apenas 20% do total de cargas que circulam pelo país viaja por via férrea. Apesar desta ser uma opção bastante interessante para transportar grandes volumes por distâncias mais longas, a malha ferroviária brasileira é limitada, cobrindo basicamente a mesma extensão que cobria na década de 1920. Mas países como Rússia, EUA, Canadá e China que também têm um vasto território, possuem malhas ferroviárias que chegam a transportar 80% das cargas que circulam no país, o que a torna uma ótima opção na hora de elaborar o planejamento logístico de um cliente.

Buscando sempre a melhor performance para a logística, a Interoceanica opera desde 2002 utilizando ferrovias canadenses e americanas para transportar os carregamentos de nossos clientes que têm como origem ou destinos estas localidades. Neste ano de 2020, concluímos uma importante entrega no Canadá. A logística envolveu os modais marítimo e ferroviário, além de todo um manuseio e preparação especial da carga para atender as normas de segurança impostas pela Associação de Ferrovias Americanas (AAR – Association of American Railroads). Todo este trabalho foi necessário para atender uma demanda de aproximadamente 1450 toneladas de tubos de aço com destino Alberta – Canada, tendo a cidade de Houston – EUA como porto de entrada.

Não estamos limitados às Americas, a Interoceanica sempre busca a melhor solução para atender sua demanda, não importa a sua origem e destino. E Independente do contexto atual causado pela pandemia de COVID-19, a sua empresa não pode parar. A Interoceanica tem soluções de alta performance para sua logística.
Interoceanica. Beyond the ocean.











BR do Mar – um caminho de novas oportunidades para a indústria de navegação no Brasil

Nas últimas semanas um assunto que ganhou bastante repercussão no mercado de navegação foi a “BR do Mar”, nome como ficou conhecido o projeto de lei nº 4.199/2020, que estimula a Cabotagem e tem como finalidade principal fomentar o transporte marítimo de mercadorias internamente e aumentar a competitividade industrial do país.

O transporte marítimo de cargas pela costa brasileira já tem crescido a taxas aproximadas de 10%, mas o governo pretende acelerar ainda mais este modal e prevê novos mecanismos de estímulo. O objetivo é saltar de 1,2 milhão de TEUs em 2019 para 2 milhões de TEUs transportados em 2022. Para alcançar este objetivo, o programa se baseia em quatro eixos fundamentais: frota, indústria naval, custos e portos.
Em relação ao desenvolvimento da frota de bandeira brasileira, o programa estimula as empresas já existentes, ampliando a possibilidade de afretamento de embarcações estrangeiras – sobretudo sob time charterparty de longo prazo ou para o atendimento de mercados ainda não desenvolvidos. Além disso, é criada a figura da empresa brasileira de investimento na navegação.
Já para fomentar o desenvolvimento da indústria naval no Brasil, o governo pretende estimular a construção e a docagem de embarcações no país – ampliando inclusive as hipóteses de afretamento de embarcações estrangeiras durante obras de construção, reparos ou conversão – o que aumentará o conhecimento em manutenção e a comercialização de peças e maquinário para navios, estimulando a escalonagem da indústria brasileira.
As ações sobre os custos incidirão sobre os trâmites burocráticos da cabotagem e sobre tributos e taxas – com a concessão de benefícios. Além disso, o programa visa reduzir os custos com tripulantes.
Para o eixo relacionado aos portos, estão previstas medidas para acelerar o início de operação de terminais dedicados à cabotagem. Empresas que não possuem operações em determinados portos também terão vantagens.
Esses são os principais pontos que serão afetados de forma positiva e direta pelo projeto BR do Mar, mas além deles, pode-se esperar também o crescimento dos postos de trabalho na indústria naval e melhorias no transporte de cargas devido as novas opções criadas pelo projeto.
A Interoceanica acompanha de perto as novidades do mercado de logística no Brasil e no mundo, sempre de olho nas melhores soluções para oferecer alta performance para superar os desafios logístico de seus clientes.
Interoceanica. Beyond the ocean.













Cadastre-se e receba nossos folders digitais